logo cryobras branca

Ligue agora: 

0800-346 4357

Siga-nos:

Produção e manuseio do gelo seco

O gelo seco é produzido através da tomada de CO2 líquido, pressurizado, e permitindo a sua expansão à pressão atmosférica.

Este processo incorre na transformação do CO2 líquido em gás e neve. A neve gerada neste processo é, então, comprimida sob a forma de blocos ou extrudada em pellet ou nugget. O sistema requerido para a produção de gelo seco inclui um tanque de CO2 líquido e um pelletizador ou prensa de blocos.

A neve é diretamente compactada em forma de pellets (compressão mecânica) ou é extrudada em forma de pellets sólidos. O último processo permite uma conversão mais eficiente da fase líquida para a sólida e é, geralmente, desejável para se obter os pellets de gelo seco melhor compactados, para minimizar a evaporação do CO2 o que pode afetar a qualidade do produto.

Como visto na Tabela 1, da página Tudo Sobre Gelo Seco, o rendimento alcançado na transformação do gelo seco em estado sólido aumenta na medida em que a sua temperatura em estado líquido diminui. Assim é importante pré-resfriar o CO2 líquido, via troca de calor, com o vapor de CO2 produzido no processo.

O processo de produção compreende os seguintes componentes/etapas:

  • Tanque de CO2 líquido:

Tanque de armazenamento vertical ou horizontal (30 a 60 tons) instalado próximo à unidade de produção, porém em área externa e isolada da unidade de fabricação de gelo seco;

  • Linhas isoladas, filtro de CO2 líquido e reguladores de pressão:

Linha de cobra tipo “K”, com capacidade de até 600 psi (40 bar) de pressão e revestida com 2″ a 4″ de isolamento térmico, conectando a unidade de produção ao tanque de armazenamento de CO2 líquido;

  • Injeção:

O CO2 líquido é injetado em câmaras de compressão instaladas na unidade de produção de gelo seco; o líquido se expande. Entre 2.3 to 2.5 Kg de CO2 líquido é necessário para se produzir 1 Kg de gelo seco;

  • Unidade de produção (pelletizador, prensa, reformer):

A neve de CO2 gerada na câmara é, então, comprimida, extrudada ou moldada em um formato (pellet, nugget, slice ou bloco), para atender a necessidade específica de cada mercado;

  • Exaustores de vapor/recuperadores:

Parte do CO2 líquido se transforma em neve carbônica e parte em vapor, ou gás de CO2 e deve ser enviado para fora da área de produção ou recuperado, comprimido e, novamente, liquefeito. É, então, lançado de volta ao tanque de estocagem;

  • Contêineres de Armazenagem/Estocagem:

Para minimizar as perdas por sublimação, gelo seco deve ser armazenado em recipientes isolados termicamente, e com capacidade para suportar as temperaturas criogênicas para transporte, estocagem ou uso imediato;

CryoBras

A estocagem e o transporte

O gelo seco não deve ser armazenado em recipientes de fibra de vidro ou plástico. Estes materiais não resistem à sua temperatura e se quebram.

Os contêineres para transporte e armazenamento utilizados pela Cryobras garantem a temperatura preservada com a menor sublimação possível de seu gelo seco.

Nossos robustos contêineres térmicos possuem tecnologia de ponta e alta aplicabilidade, no que diz respeito ao armazenamento e transporte de gelo seco.

Contêineres resistentes e duráveis são compactos e projetados para manobras em áreas limitadas e confinadas, com a mínima perda de espaço útil em armazenagem ou no caminhão de transporte.

Construídos com paredes duplas de polietileno e preenchidas com isolamento em espuma de poliuretano, os contêineres da Cryobras mantêm a qualidade do gelo seco, e podem armazenar até 650 Kg do produto.

Disponíveis em várias dimensões e formas, eles são resistentes transformam estocagem, transporte e descarregamento em uma tarefa eficiente e sem complicações.

O polietileno, muito forte em impactos, pode suportar condições rigorosas de transporte, armazenamento, arraste e empilhamento. Sua tampa, especialmente projetada para o transporte e armazenamento de gelo seco, possui sistema de selagem que garante a manutenção da temperatura interna e maximiza a eficiência no carregamento e transporte.

  • Ideal para a utilização em ambientes de laboratórios ou de produção de alimentos;
  • Reduz significativamente a taxa de sublimação (menores perdas);
  • Construção leve e compacta (utilize seu caminhão mais para transportar gelo do que caixas);
  • Perfeito para armazenagem por longos períodos;CryoBras
    CryoBras
    CryoBras

Dicas Importantes

Ao utilizar o gelo seco para conservar produtos em uma caixa, coloque os dois produtos o mais próximo possível, preenchendo os espaços vazios com jornal ou outro papel para embalagem, evitando ao máximo a circulação de ar.

  • Quanto mais espaço vazio dentro da embalagem, maior será a taxa de sublimação;

CryoBras

Precauções de Segurança

Manuseio

  • O gelo seco é extremamente frio e nunca deve ter contato direto com a pele (pode causar queimaduras);
  • Use luvas ou uma toalha ao manusear o gelo seco a fim de minimizar a exposição à pele.

Armazenamento

  • Sempre armazene o gelo seco em contêiner isolado e com material apropriado para este produto (boa isolação = menos sublimação)
  • Não armazene o gelo seco em áreas confinadas ou no interior de veículos fechados; este produto, ao se sublimar, se converte em grande volume de CO2 em fase gasosa, estado este no qual o dispersa o oxigênio e gera o risco de asfixia.
  • Nunca armazene o gelo seco em um contêiner hermeticamente fechado; o contêiner pode explodir devido à sublimação e à expansão do CO2.
  • Não armazene o gelo seco em freezers ou congeladores – a baixa temperatura do produto irá danificar o termostato, impedindo o freezer de se desligar.

Ventilação

  • Utilize, manuseie e armazene o gelo seco sempre em áreas bem ventiladas para prevenir o risco de incremento do nível de CO2 com redução dos níveis de oxigênio, tornando o local asfixiante.